mercoledì 29 febbraio 2012
martedì 28 febbraio 2012
domenica 26 febbraio 2012
sabato 25 febbraio 2012
giovedì 23 febbraio 2012
mercoledì 22 febbraio 2012
martedì 21 febbraio 2012
domenica 19 febbraio 2012
sabato 18 febbraio 2012
venerdì 17 febbraio 2012
giovedì 16 febbraio 2012
mercoledì 15 febbraio 2012
martedì 14 febbraio 2012
lunedì 13 febbraio 2012

mercoledì 29 febbraio 2012

Starry

Starry Knight is a new spanking and fetish model who was spanked often growing up, mostly by her father, stepfather and nanny. Veronica Ricci plays a strict nanny who gives Starry a long hard paddling (she called it the "trouble paddle") and we also re-create some super hard father spankings. Starry was bruised and sore days after this shoot because she wanted to make sure we got it right. Great interview as well from Spanked Sweeties or the 4 site Clare Fonda Pass!

Una relación "normal" de pertenencia....


Alguien hace un tiempo me preguntaba porque no tenia una relación "normal" y me dedicaba a vivir de esta manera. Yo sonreí y pense en mis adentros que por más que le explicara tal vez jamás podría llegar siquiera a acercarse a entender lo que era mi estilo de vida "anormal".

Bajo mi punto de vista la relación D/s es algo así como lo máximo, el top, la guinda de la torta... ñami... de las relaciones que se pueden vivir con una pareja, eso si... siempre que se lleve como decidan llevarla y sobre todo que ambos lados de la moneda sean felices de pertenecerse mutuamente.

A mi eso de relaciones vainilla, no me va... no me encuentro, no me satisface, no me llena... y pienso que en parte son las tendencias y lo que llevamos por dentro...  La muy famosa esensia y no precisamente la que perfuma... aunque su aroma particular siempre lo tiene :)

La pertenencia es reciprocidad, es un juego dual... así como el ying y el yang. Es como pensar que el día no existe sin noche, como si el nacimiento no existe sin la muerte. Es así como pertenecemos a nuestros Amos/Dominantes o como deseen llamarlos. Pero así de esta misma forma que pertenecemos a los Amos, ellos pertenecen a su esclava/sumisa. Cuidado, no se equivoquen o no se confundan por este juego de palabras... No se pierdan por el camino ni lo hagan muy largo, porque siempre es el mismo y está muy bien establecido y siempre lleva a la carretera más rápida y recta...

Es fácil de entender... 
Nos pertenecemos mutuamente porque una esclava sin Amo no es tal y un Amo sin esclava tampoco lo es... 
por eso nos pertenecemos reciprocamente...

martedì 28 febbraio 2012

Uma amiga, fez sua primeira viagem ao Dubai


Tudo era novidade!
Hospedou-se num tremendo seis estrelas, chiquérrimo.
Ao chegar a sua sofisticada suíte, foi fazer um pipizinho.

Estava apertada e já quase a pingar na calcinha.
Sentou naquele luxuoso banheiro com peças em ouro. Ao terminar,
notou que faltava papel higiénico!?

Muito chateada,
de dentro do banheiro mesmo, acionou o
comunicador para a recepcionista bilíngue:

- Minha filha... que absurdo!
Um hotel luxuosíssimo desta categoria sem papel higiénico?
Como vou limpar a minha...?

- Desculpe senhora, não usamos mais esse tipo de material em nossos hotéis...
- Por gentileza, veja o painel em ouro a seu lado.
Aperte o primeiro botão de diamante à sua esquerda.
A mulher, curiosa seguiu as instruções.
Imediatamente um jatinho delicioso de água morna
foi esguichado.

- Senhora, agora aperte o segundo botão de rubí,
ao lado do primeiro.

Imediatamente, um ventinho quente rapidamente secou.

- Que maravilha, falou a hóspede.

- Espere senhora.
Por favor agora aperte o terceiro botão de pérola.

Ela apertou, e sentiu uma borrifada
de um delicioso perfume íntimo francês que foi lançado.

Maravilhada com aquela tecnologia,
não se conteve e exclamou:

- C a r a a a a a l h o !!!!

E a recepcionista bilíngue imediatamente respondeu:

- É no botão vermelho, senhora. Queira, por gentileza, especificar cor, comprimento e espessura, já é lubrificado e vibra!

domenica 26 febbraio 2012

Después de un tiempo...


Despues de un tiempo, uno aprende la sutil diferencia
entre sostener una mano y encadenar un alma, y uno
aprende que el amor no significa acostarse
y una compañia no significa seguridad,
y uno empieza a aprender...

Que los besos no son contratos y los regalos no son
promesas, y uno empieza a aceptar sus derrotas con
la cabeza alta y los ojos abiertos, y uno aprende a
construir todos sus caminos en el hoy, porque
el terreno de mañana es demasiado inseguro para planes....
Y los futuros tienen una forma de caerse en la mitad.

Y despues de un tiempo uno aprende que si es
demasiado, hasta el calor del sol quema.
Asi que uno planta su propio jardin y decora su propia alma, en
lugar de esperar a que alguien le traiga flores.

Y uno aprende que realmente puede aguantar, que uno
realmente es fuerte, que uno realmente vale, y uno aprende .
Y aprende... y con cada dia aprende.

Con el tiempo aprende que estar con alguien porque
te ofrece un buen futuro significa que tarde o temprano
querras volver a tu pasado.

Con el tiempo comprendes que solo quien es capaz de
amarte con tus defectos, sin pretender cambiarte,
puede darte toda la felicidad que deseas.

Con el tiempo te das cuenta de que si estas al lado
de una persona solo por acompañar tu soledad
irremediablemente acabaras no deseando volver a verla.

Con el tiempo entiendes que los verdaderos amigos
son contados, y el que no lucha por ellos tarde o temprano
se vera rodeado solo de amistades falsas.

Con el tiempo aprendes que las palabras dichas en
un momento de ira pueden seguir lastimando a quien heriste,
durante toda la vida.

Con el tiempo aprendes que disculpar lo hace , pero
perdonar es solo de almas gemelas.

Con el tiempo comprendes que aunque seas feliz
con tus amigos, algun dia lloraras por aquellos que dejste ir.

Con el tiempo te das cuenta de que cada experiencia
vivida con cada persona es irrepetible.

Con el tiempo te das cuenta de que el que humilla o
desprecia a un ser humano, tarde o temprano, sufrira
las mismas humillaciones o desprecios multiplicados
al cuadrado.

Con el tiempo aprendes a construir todos tus caminos
en el hoy, porque el terreno del mañana es demasiado
incierto para hacer planes.

Con el tiempo comprendes que apresurar las cosas o
forzarlas a que pasen ocasionara que al final no
sean como esperabas.

Con el tiempo te das cuenta de que en realidad lo
mejor no era el futuro, sino el momento que estabas
viviendo justo en ese instante.

Con el tiempo veras que aunque seas feliz
con los que estan a tu lado añoraras
terriblemente a los que ayer estaban contigo.
Y ahora se han marchado.

Con el tiempo aprenderas que intentar perdonar o
pedir perdon, decir que amas, decir que extrañas,
decir que necesitas, decir que quieres ser amigo
ante una tumba , ya no tiene sentido

Pero desafortunadamente con el tiempo..........


Jorge Luis Borges

Dose Dupla

A emoção é indescritível. O coração bate mais forte, dá frio na barriga e nem precisamos falar que os orgasmos são muito mais intensos. Adrenalina pura que adoramos, mas pena que não temos muito tempo para nos dedicar às nossas loucuras. Ménage é tudo de bom e mais um pouco. Mal podemos esperar para o nosso próximo!



Quem gostou que deixe seu comentário!
Aceitamos novas amizades, mas ultimamente andamos meio devagar por conta do trabalho.
Para saber mais visite nossa página http://casalkarinho-reload.blogspot.com.br/p/menage.html

sabato 25 febbraio 2012


Y con los Ojos
con el Corazón y el Alma
Yo seré TUYA... SIEMPRE...

giovedì 23 febbraio 2012

A MINHA TIA ROBERTA- PARTE 1



AUTOR - MARCELO R.J.

Muito prazer me chamo Daniel, atualmente tenho 26 anos e resido no Rio de Janeiro. Hoje vou contar a historia que sempre sonhei com a minha "quase" tia Roberta e que graças aos nossos destinos está acontecendo de uma forma muito ardente, a cada dia ficando melhor. O início da nossa paixão, foi mês atrás (início de Dezembro de 2008) e continua acontecendo, mas é algo que venho fantasiando desde a minha pré-adolescência e torço para que isso tudo continue por muito tempo.


Minha mãe possui três irmãos, dois homens e uma mulher, que é a tia Silvia. Tia Silvia se casou com um cara muito tranqüilo, o Leandro. Ele é muito boa pessoa e o melhor de tudo mesmo, é a irmã dele, que se chama Roberta. Eu nunca consegui a chamar de tia, mesmo que eu tenha a conhecido quando era muito pequeno, eu estava com cinco anos. Além do mais, quando eu a vi pela primeira vez, os meus tios ainda estavam namorando, então não deu tempo de criar laços de família com ela. Como os meus tios já estavam noivos, o tio Leandro resolveu apresentar o restante de sua família.

Era um domingo quando ele levou os seus parentes na minha casa. Quando eu vi a Roberta, eu fiquei maluco… nunca tinha visto uma mulher tão bonita. Mesmo sendo criança eu fiquei assustado, aquela mulher exuberante me causou certo espanto e também eu ouvia todos comentando sobre a sua beleza, todos atônitos. Ela era uma morena cor de jambo com estatura baixa, uns 1,69cm de altura, com cabelos lisos, negros e curtos na altura dos ombros, olhos castanhos escuros, seios pequenos, coxas grandes e roliças e com um quadril bem avantajado. Claro, eu era uma criança e não tinha malícia para tal análise dessa mulher maravilhosa, mas ouvia minha mãe comentando com meus tios, dias depois.

A minha única decepção na época, é que mesmo eu sendo criança, eu passei a sentir ciúmes por ela. Que claro, foi se agravando com o passar do tempo. Ela estava com 19 anos, era casada e tinha um filho de um ano e alguns meses. Quanto ao seu esposo, ele se chamava Alberto. Um cara muito legal e mais velho do que ela, uns cinco anos.

Os anos foram passando e logo cheguei à fase de descobrir a masturbação, e claro ela foi a inspiração, quase que sempre, das minhas fantasias. O fascínio que eu tinha por ela quando pequeno, se tornou numa paixão de pré-adolescente, tipo quando um garoto se apaixona pela professora. Ela ia à minha casa, de vez em quando, mas quando ela estava por lá, era o dia mais feliz da minha vida.


  Eu ficava numa euforia e sempre que dava, eu estava no banheiro tocando uma, em homenagem a Roberta. Já dava pra reparar que o casamento dela não estava tão bom quanto no inicio, pois aquele carinho que ela e o seu marido Alberto tinham, já não era mais o mesmo e também ouvia a minha mãe conversar com o meu pai sobre a vida da Roberta, logo isso já me fascinava e me davam esperanças (criança é tão ingênua).
Quando eu já estava com meus 15 anos, eu soube da primeira separação deles, mas logo voltaram. Depois de um ano, mais ou menos, eles se separaram de vez e segundo informações, o Alberto, agora ex-marido dela, estava  traindo-a há muito tempo e tinha uma segunda família (sujeitinho burro, a sua mulher é a mais linda e gostosa que já vi). Então ela entrou naquela fase de depressão e passou uns dias muito na merda mesmo, a tia Silvia era muito ligada a ela e nos contava a fossa em que a pobre da Roberta estava vivendo. As duas até ficaram mais próximas, a Roberta passou a dormir na casa da tia Silvia e iam à praia juntas. Iam elas, meus primos e o tio Leandro.

Logo chegaram as férias e não perdi a oportunidade, partindo pra casa da tia Silvia. Claro, sabendo que a Roberta estava também de férias por lá, eu não poderia ficar de fora. No primeiro dia foi muito tranqüilo, lá estavam os meus primos e o filho da Roberta, mas ela mesmo, quem eu tanto queria ver não estava. A tia Silvia até perguntou o porquê da minha cara de decepção, pois parecia que eu estava procurando por algo que nunca ia achar. Eu falei que não era nada, estava assim porque esperava que a casa estivesse mais animada. Ela olhou pra mim e disse: “Tá bom Daniel, vou acreditar.” e ficou me olhando com cara de suspeita, perguntei pelo restante do pessoal e ela me falou que o meu tio estava no trabalho e a Roberta estava arrumando o seu novo apartamento, mas logo estaria voltando. Passando alguns minutos, batem na porta e quando a tia Silvia abre a porta, eu tenho a visão mais impactante até então, era a Roberta que lá estava. Vestia uma calça jeans clara muito apertada, mostrando nos meio das pernas um triangulo com uma pequena racha no meio, parecido com um capô de Fusca (perdoem-me pela descrição vulgar) e um top preto também bem apertado, com um decote em “V” mostrando os pequenos, mas apetitosos seios. Ela estava com o cabelo solto na altura dos ombros, bem morena devido às praias que vinha pegando.

A Roberta estava muito gostosa, cheguei a ficar meio sem graça quando ela veio me abraçar e me deu um beijo no rosto falando: “Nossa Daniel como você cresceu, em quase dois anos que eu não te vejo, você se desenvolveu bastante heim.”, passou as mãos em meu peito e falou: “Aí Silvia, o Daniel tá ficando um gato, olha só corpo dele.”, tia Silvia na hora falou: “Pára com isso Roberta, você vai deixar o menino maluco, nunca reparou o jeito que ele te olha?”. Tia Silvia começou a rir junto com a Roberta, depois dos risos ela deu uma bagunçada em meu cabelo e se virou para ir ao banheiro. De imediato me virei e vi aquela bunda balançando e disse: “Puta que pariu, olha isso!”, eu pensei alto, falando meio baixinho. O suficiente para a tia Silvia ouvir e me chamar na cozinha, para logo começar a falar que não era pra eu ficar com esses olhares para a Roberta, que isso era coisa que eu fazia desde criança e que de certa forma, era meio constrangedor. Se o tio Leandro percebesse, poderia não gostar e ainda mais o filho dela, que também poderia ver e acabar criando um clima ruim. Acabei respondendo à tia Silvia, dizendo que a Roberta era uma mulher muito bonita, solteira e não tinha problema eu olhar pra ela. Mas prometi que eu ia olhar daquele jeito, somente quando eu perceber não ter ninguém por perto. Tia Silvia falou: “Tu não tem jeito heim, olha lá o que você vai fazer.”. No dia seguinte fomos à praia e acho que nem preciso contar como foi.

Imaginem eu vendo aquela mulher na praia de biquíni tipo fio-dental, bem pequenino, toda exuberante chamando a atenção de todos na praia. Teve dia que eu cheguei a ficar excitado na praia e tive que correr para a água para ninguém perceber o volume. Depois das férias resolvi me afastar da casa da tia Silvia, eu não queria mais causar constrangimentos em sua casa, além do mais a Roberta já estava morando em seu novo apartamento. Também depois dessas férias eu fiquei sabendo que ela estava de namorico com um cara, mas segundo informações não era nada sério e preferi me afastar.

Acabei perdendo o contato com a Roberta e fiquei uns três anos sem a ver, só voltei a encontrá-la no ano de 2004, pra ser mais preciso foi na festa de Fim de Ano. Só que aí eu já estava com as minhas “ficadas e namoros” no passar desses anos e não pretendia mais ficar naquela sede por ela, bom, pelo menos eu pretendia. Nesse ano eu já estava com 22 anos e a tia Silvia me chamou para ir com ela e a sua família passar o Reveillon na Região dos Lagos. Como eu estava solteiro naquele ano, fui sem problema, aliás, também foram os meus pais e meus irmãos, resumindo, foi a maior farra, tudo muito bom. E sem falar na grata surpresa que a tia Silvia me pregou, pois ela também chamou a Roberta. Que, infelizmente levou o seu atual namorado. Até que era um cara tranqüilo, meio calmo, mas como eu não estava com aquela intenção de antes, não esquentei muito a cabeça.

Quando chegamos à casa, tudo já estava pronto. Todo mundo muito bem arrumado, a decoração da casa a caráter, típico de Reveillon, som alto, rolando muita bebida e comida. A Roberta estava toda serelepe na festa e também meio alta por causa das bebidas. Estava com um vestido de alça meio curto, todo branco com pedras brilhantes. O vestido era meio transparente e dava pra ver que ela estava com uma calcinha pequenina branca, toda cavada naquela bunda gostosa. Nisso, ela e o restante do pessoal veio nos cumprimentar. Muitos apertos de mãos, abraços e beijos. Quando foi a vez dela me cumprimentar, não pude deixar de tentar ser mais ousado. Pelo menos, um pouco mais do que fui a minha vida toda com a Roberta, claro, eu só não podia abusar, afinal não queria parecer um safado e também o seu namorado estava por lá.
A Roberta veio até a mim e falou: “Nossa Daniel, você está cada vez maior e mais forte, caramba!” e falou perto do meu ouvido: “Tá muito lindo e gostoso!”, 

depois me deu os tradicionais beijinhos nos rosto, no último eu fui atrevido e a beijei bem pertinho da boca. Ela então me olhou dentro dos olhos, deu uma mordidinha em seus próprios lábios e se virou para cumprimentar o restante do pessoal. A festa foi passando e já quase no final. Começamos a bater as fotos e numa dessas fotos a Roberta ficou na minha frente… ela estava bem mais alta, devido às bebidas, de repente ela deu uma “ré” e encostou-se em mim. Como tenho um pau meio avantajado e fica um relevo, ela percebeu e ficou roçando a sua bunda, também avantajada, em meu pau. Aproveitei e coloquei as mãos em sua cintura, puxando-a pra mais perto de mim, logo ela colocou as suas mãos em cima das minhas e ficou assim, me acariciando de vez em quando até a seção das fotos terminarem. Sorte que o seu namorado já estava dormindo, cheio de cachaça. Aí, mais uma, vez veio à tia Silvia, me chamou para um outro cômodo e falou: “Porra Daniel, você tá maluco? A Roberta tá com namorado e você fica dando em cima dela?!?!” Então foi a minha vez de dar um fim nessa situação: “Tia Silvia, eu acho que a senhora não reparou uma coisa, a Roberta está praticamente bêbada e fica se esfregando em mim toda hora que vem conversar comigo. Ela fica passando as mãos em meu braço, peito e rosto, a senhora está sempre me punindo e desde pequeno a senhora fica nos reparando, eu já sou adulto e sei das minhas atitudes”. Tia Silvia respondeu: “É Dani, como você já sabe de suas atitudes, devia ser responsável e não ficar dando mole para uma pessoa que está bêbada e ser mais sensato. Claro, você já é adulto e não quero me meter em sua vida, mas a Roberta é comprometida e você não pode entrar na vida dela dessa forma. Se ela fosse solteira eu não ia fazer questão, até ficaria feliz se vocês formassem um casal, pelo menos mataria a sua fome, né? Pensa que eu não sei da sua paixão secreta por ela? Filho, ela é 14 anos mais velha que você e na verdade eu não acho correto pessoas de idades distantes formarem um casal. Tá bom Dani? Não fica chateado comigo, eu só quero o seu bem.” e assim terminou o derradeiro sermão da tia Silvia. Quando voltamos pra sala, o pessoal já estava procurando um lugar para dormir e a Roberta já estava dormindo, tava no sofá, largada. Tia Silvia foi e começou a encaminhar todos para os seus devidos aposentos.

No dia seguinte, ao levantar, vi que já estavam quase todos acordados inclusive a Roberta. Ela veio  e me abraçou normalmente, me desejando um bom dia e me perguntou se ela tinha feito algum vexame, pois ela foi dormir meio chapada e pode ter feito alguma besteira. Nisso eu reparei que de repente eu posso ter forçado a barra, falei com ela que não, que todos se comportaram normalmente, inclusive ela. Me bateu um certo desânimo, mas bola pra frente. Dias depois fomos todos embora, cada um pra suas casas e destinos. Meses depois fiquei sabendo que a Roberta tinha mudado de namorado e que dessa vez parecia sério.

E eu caminhei com a minha vida.

No fim de 2005 noivei com uma mulher linda, minha vida estava bela, passei ótimos momentos e realmente, momentaneamente, eu esqueci de tudo de ruim, decepções, momentos tristes e também da Roberta, perdi o contato totalmente e nem queria saber mais dela. Mas a vida às vezes nos prega peças, e que muito das vezes pensamos em desanimar. Meunoivado terminou meses antes do casamento, o mundo que construí estava acabado e era vez de novamente recomeçar e tentar apagar tudo deste recente passado. Mudei de emprego e quase mudei de cidade também, só não mudei pra ficar perto da família, pois era o que me restava.

Já no fim de 2008 eu estava terminando a minha faculdade e estava estagiando pelo curso. Na formatura consegui reunir toda minha família, fizemos uma bela festa após a formatura com muitos convidados. Muitos parentes e muitos amigos, rolou até uma Roda de Samba. Já no meio desta festa surge ela, a minha inspiração de vários anos de punheta, era a Roberta. Que chegava à festa com seu carro toda animada e pra minha alegria estava sozinha.  Veio falar com meus pais, meus tios e por fim veio falar comigo. Ela estava com seus 40 anos, mas parecia que estava ainda melhor. Incrível, aquela mulher parecia que não envelhecia. Com um vestido preto, portando algumas jóias, ela estava muito linda, acho que foi a vez, que mais bem arrumada eu a vi. Roberta veio e me abraçou bem forte, dando um beijo no rosto bem demorado e falou: “Dani, parabéns por tudo, acho que nem preciso elogiar parte por parte, você está ótimo, lindo e agora formado. Não fique triste se seus projetos antigos não deram certo, o que vale é de agora pra frente.”, falei: “Obrigado pelas palavras Roberta, o mais importante agora é a sua presença nessa festa bonita que prepararam, só faltava você pra noite ser completa, como você está aqui não me falta mais nada.”. Ela me pediu uma cerveja e foi pra festa sambar com a rapaziada do pagode, não demorou muito já tinha malandro colado e dançando com ela. Eu também estava dançando, mas não quis me aproximar muito. Talvez depois ela pudesse ficar meio doidona e ficar me atacando ou de repente agir de forma estranha com outros caras. Na verdade eu não sabia como ela poderia agir com pessoas desconhecidas, como eu estava um tempo sem ver a Roberta, eu não sabia como ela poderia reagir com a bebida.

Passando uns minutos ela percebeu que eu estava meio distante e veio falar comigo: “Dani? O que foi? Você tá distante de mim? Será que ainda é pelo Reveillon de 2004, pelas besteiras que eu fiz?” nisso eu lembrei e pensei: “Será que ela sabia o que tinha feito naquela noite?”, respondi: “Não Roberta, eu tô meio cansado dessa parada de cerimônia, festa, sabe como é né. Você tá falando do Reveillon, mas não aconteceu nada de errado Roberta.”, ela me responde: “Que é isso Dani, deixa de vergonha. A Silvia me contou o que aconteceu e também da bronca que ela te deu, ela me disse que você ficou até meio distante dela, depois daquele dia.”, respondi: “A tia Silvia sempre exagera Roberta, foi tudo normal naquela noite, só rolou uns esfregas entre nós, que ela achou coisa demais, foi só porque nos encostamos pra batermos foto e ficamos, sem querer, nos sarrando.”, nisso eu pensei: “Será que ela contou da grande atração que tenho por ela?”, então a Roberta diz: “E falando nisso, você viu aquelas fotos?”, respondi: “Acredita que ainda não vi?”, ela então aproveitou o ensejo e me convidou para ir ao seu apartamento para vermos as fotos e assistir a filmagem que foi feita na festa do Reveillon. Anotei o endereço e marquei com ela para ir no dia seguinte pela manhã. A noite chegou ao fim, juntamente com a festa e a Roberta se comportou direitinho não “atacando” ninguém durante a sua permanência por lá. No fim, fui com ela até o portão para me despedir, ela me deu um abraço bem apertado e demorado e no último beijo, me deu um beijo no canto da boca, quase um selinho, pensei seriamente em partir pra cima e a atacar com um beijo de verdade, mas me contive, não queria parecer abusado com ela. Roberta foi embora e todo o pessoal também.


Fui dormir de pau duro, onde bati umas três punhetas, coisa que não fazia há muito tempo.

Acordei no dia seguinte numa disposição inacreditável, refiz a minha barba, coloquei uma roupa leve, bermuda e camiseta, coloquei um bom perfume e parti pra casa da Roberta. Chegando lá, interfonei e ela atendeu, me mandando subir. Reparei que eu estava nervoso, ao entrar no elevador olhei para o espelho e pude perceber as gotículas de suor que se formavam em meu rosto, principalmente na testa. Quando cheguei ao corredor de seu apartamento, ela já estava me esperando com a porta aberta. Ela estava com um com um shortinho jeans não muito curto, até meio folgado, e vestia um sutiã de biquíni. Abriu um largo sorriso e disse: “Dani, mesmo te vendo ontem parece que não te via há anos e também você não vinha a meu apartamento já tem muito tempo, não é? Pode entrar, lindo, fique a vontade.”, não pude deixar de olhar aquela monumental bunda. Entramos e ela me ofereceu algo pra beber, chá gelado, refri, cerveja, água e acabei aceitando a água. Perguntei sobre o seu filho e ela falou que estava na casa do pai, passando férias. Sentamos no sofá pra colocar a conversa em dia e papo vai, papo vem e acabou chegando à parte de relacionamentos. Ela questionou sobre meu noivado, quase casamento e falei que não queria falar muito sobre isso, porque acabei me machucando muito, mas já era passado. Ela afirmou dizendo que a minha mãe e a tia Silvia também contaram pra ela sobre o sofrimento que foi, não só pra mim, mas também para todos da família. Eu disse que devido a esse relacionamento, eu acabei me afastando um pouco dela e ela falou que não, pois ela também passou por relacionamentos meio malucos e também perdeu o contato comigo.

Roberta estava com os pés em cima do sofá quase encostando-os em mim, na verdade eu nunca tinha parado pra reparar os seus pés, que eram lindos por sinal, bem pequeninos e a as unhas bem feitas. Perguntei quanto que ela calçava e me respondeu que 35, falei com ela que nunca tinha reparado nos pés dela e jamais imaginei tocá-los, complementei, falando o quão lindo eles eram. Perguntei se poderia tocá-los e ela afirmou somente com a cabeça, pus as mãos e comecei a fazer carinho, cada toque era como se fosse uma inspeção. Passando os meus dedos entre os dedos dos pés, apalpei a sola sem fazer cócegas e pude a ouvir dizendo que estava muito bom e que eu poderia continuar. Claro, afirmei. Notei que os pelinhos das pernas, todos loirinhos, que em contraste com a sua pele bem morena, estavam arrepiados. Fui subindo, acariciando pela canela direita até chegar ao seu joelho e descia novamente para os pés, ela de olhos fechados falou: “Dani você tem uma mão que, meu Deus, deixa qualquer mulher derretida.” resolvi parar e ver qual seria a sua reação. Ela abriu os olhos e falou que eu poderia ser massagista, mas o único problema é que as clientes poderiam me causar um certo transtorno e começamos a rir. Aproveitei a oportunidade e falei que com a minha ex-noiva, eu conseguia fazer muitas coisas com ela, após essas massagens, Roberta me respondeu: “Até imagino o quanto de prazer devia ser.”, olhei pra ela e dei um sorriso meio sem graça, porque achei ter falado merda.

Ela então me chama para vermos as fotos do Reveillon de 2004, fomos pro seu quarto e liguei o ar condicionado a seu pedido, a Roberta subiu na cama e pegou em seu armário umas caixas com várias fotos e cada caixa ela separava por ano. Vieram as primeiras fotos e a mostravam com o ex-marido e o seu filho pequeno ainda, depois as fotos de quando pela primeira vez eles foram a minha casa. Roberta mostrou como eu era pequenino e fez um comentário, falando que não imaginava o homem que eu ia me tornar e comentou: “Nossa, como eu era bonita, olha o meu rosto, olha a minha pele e o meu corpo, meu Deus o tempo passou” e levemente lacrimejou os olhos.
 Falei que não era muito bem assim, esse papo de tempo com ela, pois ela estava muito mais linda e que os anos serviram pra deixá-la muito mais mulher do que antes, e lhe disse: “Olha o seu rosto Roberta, continua linda. Fique sabendo que você é e sempre será a minha musa.”, passei as mãos em seu rosto e falei: “A pele parece até de um neném, o seu corpo malhado de academia está cada vez melhor, com capacidade para ser Rainha de bateria em qualquer escola de samba.”, após o comentário dei lhe um forte abraço e falei em seu ouvido: “Feliz é o homem que pode ter você como amiga, companheira, namorada, mulher e amante. E te peço Roberta, pára de falar essas coisas que deixam você pra baixo. Tá bom?”. Fomos passando as fotos e rindo com as imagens, logo chegaram às fotos do Reveillon.
Quando chegou à foto que estávamos juntos, ela olhou pra minha cara e falou: “Tá vendo, foi você que se agarrou na minha cintura, eu estava apenas com as mãos em cima da sua’, justifiquei: “Também, Roberta, quando você encostou-se, roçando a bunda e não se retirou, eu fiquei maluco e puxei você pra perto de mim mesmo, imagina só um moleque com os hormônios todos em ebulição, tendo uma mulher como você encostada em mim”, começamos a rir divertidamente.

Roberta aproveitou e pediu se eu podia fazer mais uma massagem nela, falei que sem problema, e coloquei as mãos em seus pés, ela segura em minhas mãos e pede: “Faz nas costas?”, peço pra ela deitar na cama, mesmo estando bem fresco devido ao ar condicionado, eu estava suando na testa. Ela deitou de bruços, colocou o rosto pro lado e as mãos pra baixo na direção da cintura. Fiquei de joelhos na cama e comecei pelos braços, fui massageando e depois passei para o outro braço. Fui subindo, cheguei aos seus ombros e fiquei os acariciando, fui para o pescoço e aí ela se arrepiou toda e com a voz bem mansa falou: “Não faz isso não Dani, tira a mão daí, você já descobriu o meu ponto fraco.”, 

retirei as mãos e comecei a descer pelas costas, massageava costela por costela, passava os dedos por toda a coluna sentindo todos os pontos de tensões em sua musculatura.

O problema é que eu estava em uma posição muito ruim e ficava pulando de um lado pro outro, ela percebendo falou: “Putz, esse teu pula-pula na cama, tá estragando o clima da massagem.”, “O que posso fazer Roberta, eu tô sem posição.”, ela então abriu os olhos e perguntou se eu me posicionasse em cima da sua bunda, deixando-a entre as minhas pernas, não ficaria melhor, respondi que sim, que seria possível, mas seria meio constrangedor. Ela falou: “Deixa de bobeira Dani, fique a vontade.”, nessa mesma hora me passaram mil coisas pela cabeça (a de cima e a de baixo), então me posicionei quase sentando em sua bunda, mas estava meio estranho, achei melhor me apoiar de joelhos na cama posicionando a minha virilha em suas nádegas. Deixando a sua bunda exatamente abaixo do meu pau. Roberta passou os braços pra cima cruzando-os fazendo uma espécie de travesseiro para apoiar a cabeça e deu uma ajeitadinha na bunda até se encaixar junto a mim, me deixando com dúvidas se esse movimento foi proposital. Recomecei a sessão de massagens, parti da cintura pra cima, passava as mãos pelo cóccix, sentia aqueles dois furinhos que ficam acima da bunda, toda mulher muito gostosa tem. Nisso ela me diz que está muito gostoso e relaxante, logo pede para que eu desamarre o sutiã do biquíni para que eu possa massagear as suas costas por inteiro, nesse momento o meu pau já estava igual a um vergalhão, eu apertava aquela cintura com as duas mãos que me dava a impressão de estar a possuindo de quatro, e ela de vez em quando dava umas mexidinhas, que me deixava louco. Ficamos nessa massagem por uns 10 minutos, até ela me pedir para buscar um creme em seu banheiro para a massagem ficar mais relaxante, fiquei meio preocupado em levantar e mostrar o tamanho da minha excitação, mas não esquentei a cabeça, como ela estava de olhos fechados levantei e fui buscar. Aproveitei e tirei a minha camiseta, a temperatura naquele momento estava altíssima. Quando voltei, ela estava novamente com os braços pra baixo e com a cabeça para o lado, não sabendo o motivo, ela me pede um beijo no rosto. 

Dei um beijo daquele de fazer barulho em sua bochecha e novamente ela pede mais um beijo, só que quando eu fui dar mais um beijo, eu não sei de onde eu inventei de passar a língua em seus lábios, ela falou: “Hum que gostoso, faz de novo.”, quando eu fui fazer novamente, ela foi se virando me atraindo para os seus lábios, já mudando de posição ficando agora deitada com as costas no colchão. Foi como se eu estivesse explodindo por dentro, era um beijo de sede, como de quem está beijando pela primeira vez, mas nada atrapalhado era um beijo de pegação. Eu me posicionei ficando de joelhos entre as suas pernas e a beijando loucamente, como sempre desejei, chegávamos a ficar sem fôlego e babados, ela vinha e lambia onde estava babado em meus lábios e eu fazia o mesmo nela, se tornando um beijo com carícias bem ousadas. Fui para o seu pescoço e comecei a beijar bem cadenciado, dando pequenas mordidas, quando fui descer para os seios, levei um susto porque eles já estavam descobertos, me esperando, tinha esquecido que retirei o sutiã do biquíni pra fazer a massagem. 

Quando beijei e lambi o primeiro seio que vi, ela começou a gemer, não me contendo dei uma leve mordida e apalpei o outro com a mão, passando para esse outro logo em seguida. Comas mãos livres, a Roberta agarrou em meus cabelos e me puxa para mais uma seção de beijos molhados, quando parecia sem ar, ela se acalma e me chama para deitar ao seu lado na cama.

Roberta põe a cabeça em meu peito, me dá alguns beijinhos e fala: “Dani, será que estamos agindo certo? Sei lá, somos praticamente da mesma família.”, pedi pra não pensarmos em nada naquele momento, que era pra apenas curtirmos. Eu estava esperando esse momento há muito tempo e jamais queria que ele terminasse, ela então falou: “Então era verdade o que a Silvia falava comigo, que você desde criança era louco por mim, nunca imaginei que isso fosse verdade.”, olhei pra ela e falei: “Roberta, acho que todos os bons sentimentos que ainda não foram despertados em mim, você acabou de despertar e agora eu só quero te amar, como sempre te desejei.” ela se levantou, se desfez do short e quando ia se despir por inteira, eu retirei as suas mãos e falei: “Deixa essa parte comigo, quero descobrir cada detalhe de seu corpo.”, fiz a Roberta se deitar na cama novamente, tirei a bermuda e a cueca, ela olhou para mim e falou: “Meu Deus não acredito que você se tornou isso tudo.”. 

Sem esperar ela partiu pra cima e caiu de boca, lambia somente a cabeça, depois tentava colocar na boca até onde aguentava, tirava e lambia em volta da cabeça todinha e partia para o resto, lambia tudo, depois colocava o pau de lado na boca com a cabeça e os pelos pra fora e ficava dando mordidinhas que era uma coisa de louco. Lambia a cabeça novamente, partiu para o saco e ficou quase uns cinco minutos e depois partiu para a cabeça de novo, daí ela começou um tira e bota com a boca, que parecia que ela que estava comendo o meu pau. Eu não aguentaria mais que alguns minutos e falei que tava quase gozando, ela falou o que ela mais queria era beber a minha porra, pois já tinha tempo que ela não provava desse mel… sendo masturbado por sua boca, ininterruptamente, comecei a gozar e junto vieram os meus urros de alívio, conquista, realização e prazer. Sei lá, só sei que foi maravilhoso. Ela ficou chupando até sentir que não saía mais nada do meu pau. Como o meu pau continuava duro, não a deixei tomar ciência, se não eu não poderia partir pra sua buceta, parte que eu tanto almejava em conhecer. Adeitei na cama, de barriga pra cima, fui até a sua testa e dei um beijo em sinal do respeito que tinha por ela, e também é um gesto que faço quando estou apaixonado pela mulher que está comigo. Roberta ficou meio sem entender o meu gesto, mas me olhando com um olhar de apaixonada, beijei a sua boca e fui descendo para os seios, chupei bastante cada um, depois fui descendo beijando dando lambidinhas pela barriga abaixo, até chegar naqueles pelinhos dourados na região do umbigo, ali fiquei por mais tempo beijando e lambendo toda aquela região. Pela forma que ela apertava a minha cabeça e puxava os meus cabelos dava pra sentir o prazer que ela estava sentindo, dei um beijo em sua buceta por cima da calcinha, que já estava umedecida e exalava um cheiro indescritível. Depois passei os beijos, seguido de lambidinhas para a coxa e a coloquei com as pernas arreganhas num pré “frango assado”, dava pra ver aquela calcinha toda enfiada na bunda e também na buceta formando aquele lindo triângulo.

Comecei a lamber até a metade da coxa e vinha até as extremidades da calcinha e passava a língua por todo o limite da calcinha de um lado até o outro, ela não aguentando mais, enfiou os dedos na calcinha e a puxou para o lado mostrando a sua linda fenda, toda molhada e raspadinha, que chegava a estar brilhando. No meio dessas sensações, ela gritou quase que gemendo: “Por favor, me chupa logo, eu não tô aguentando mais.”, retirei a sua mão da calcinha, e novamente a coloquei no lugar. Fui ao seu ouvido e falei com a voz bem baixinha: “Calma Roberta, eu te aguardo desde criança, me deixa curtir todas as suas sensações, bem devagar.”, ela me olhou com a voz trêmula e falou: “Dani, eu ainda não tô acreditando nisso tudo, por favor, eu não aguento mais essa tortura.” e em seguida ela me puxa e começa a me beijar desesperadamente, nos beijamos por alguns minutos. Novamente desci para os seios, ali fiquei saboreando e sentindo aquela pele se arrepiando e em seus poros brotando gotas de suor, que nada mais era do que os vestígios do tesão. Fui descendo até alcançar a calcinha, onde comecei a retirar a calcinha com os dentes bem devagar, ela ficava levantando o quadril de um lado pro outro tentando me ajudar a retirar mais rápido a sua calcinha, quando a calcinha estava abaixo do joelho eu terminei de retirar com as mãos, mas bem devagar. Enfim ela estava ali na cama toda nua pra mim, com a buceta raspadinha toda babada devido à lubrificação que escorria por toda a sua extensão. Dava pra ver aquele clitóris minúsculo me esperando loucamente e mais abaixo eu via aquela linda fenda, com os lábios bem pequenos, parecendo que foram feitos com bisturi.

Parti pro meu desejo, tava difícil de acreditar. Primeiro eu toquei o clitóris com o polegar, que pareceu um botão de gemidos e gritos, não resistindo mais, caí de boca e ali fiquei até constatar que a Roberta tinha chegado ao primeiro orgasmo comigo, ela oscilava as mãos na minha cabeça me puxando os cabelos e também na própria cabeça, onde colocava as mãos em cima de cada orelha, numa imagem que parecia que estava desesperada. Roberta se virou ficando de bruços e foi se levantando bem devagar até ficar de quatro, lembrando uma leoa pronta para a caça. Com a cabeça de lado, encostada ao colchão e com as mãos entre as pernas, ela me pedia quase esbravejando, que era pra eu começar o mais rápido possível a penetração. Eu dei uma olhada para o meu pau e vi que ele estava pingando, tipo num ato de incentivo, pensei: “Chegou à nossa hora meu camarada!”.

Fui enfiando devagar, me apoiei em sua cintura e comecei o vai e vem bem vagaroso, mas sem parar.
 Só ouvia os seus gemidos, que eram muito diferentes de todos que eu já tinha ouvido até então, fiquei nessa posição até quase gozar. Quando achei melhor sair e voltar a dar uma atenção especial em sua buceta, a intenção era dar um tempo e retardar o meu gozo, pois queria ficar o mais tempo possível e proporcionar o máximo de prazer para a Roberta. Após um tempo fazendo a Roberta se retorcer em minha língua, eu a ouço implorar pra eu voltar, achei que já dava e reiniciei. Só que agora eu a coloquei de frente pra mim na posição de “frango-assado”. Não hesitei em enfiar tudo de uma vez só pra ver a sua reação, que pela expressão de seu rosto, foi um misto de dor, surpresa e prazer, e claro veio o seu comentário: “Dá pra sentir o quanto você me desejava Dani, você está acabando comigo seu safado.”, ficamos naquele ritual maravilhoso de troca de palavras, carícias, líquidos, olhares e beijos. Não resistindo mais anunciei que ia gozar, ela de imediato pediu para gozar dentro, porque ela queria muito me sentir por inteiro, todo o ápice de meu prazer. Uns 30 segundos depois do meu anúncio, comecei a urrar e a encher de porra, mas tanta porra que chegava a dar uma leve dor no seu saco. Logo depois vieram umas vibrações em meu corpo que corriam da cabeça aos pés e dava tipo uma pontada nos dedos dos pés. Caí ao seu lado e recebi um beijo maravilhoso de gratidão, realização e amor. Ela passou as mãos em meu rosto para retirar o suor, ficou entre as minhas pernas e começou beijar a minha orelha. Foi descendo pro pescoço, peito, barriga, umbigo e depois caiu de boca em meu pau para retirar o restante de sêmen que lá existia. 
Ficou ali, pra talvez esperar o meu pau cair, mas como não caiu, ela me olhou com cara de espanto e desejo, subiu novamente em meu pau, cavalgando como uma Amazona, linda, mas muito linda.

 
Passamos a tarde inteira nos amando e quase que dormi por lá mesmo. No início da noite fui embora e prometi retornar o mais rápido possível.


 Peço desculpas pela demora, mas realmente eu tinha que contar desse jeito pra tentar passar um pouco da minha história com a minha tia “emprestada” ROBERTA que tanto amo. Deixo um grande abraço para todos.

Tawse brings on tears for Jana Tatum

Tears for Jana Tatum as a leather tawse is laid across her disobedient bottom 30 times! This Houseguest from Hell borrows a car belonging to Alison’s parents - without even asking. Five strokes on jeans and 25 on mostly bare skin will teach her a lesson from Firm Hand Spanking!


mercoledì 22 febbraio 2012

De que me sirve ser sumisa?

Siento tanto dolor, tengo dos días muy mal. No se como decirlo, me duele el alma. No puedo nisiquiera conmigo misma.
No estoy bien de salud, la tensión me agobia y pasé todo el día en el servicio médico de la oficina. Los pies los tengo deformados de la hinchazon, me da miedo solo verlos.
Me dieron una sublingual para bajarme la tensión y no dejaron irme hasta cuando mas o menos se estabilizó un poco, pero ahora me siento muy mal, tengo taquicardia. Y otra vez esta alta.
Lo que hago es pensar y pensar y pensar... no se que decir. No se si soy una sumisa o si no lo soy. Estoy tan confundida y tan adolorida que no se que hacer.
Lo único que he hecho por horas es llorar y llorar. Me siento tan fragil, tan vulnerable, tan mal.
Tengo que hacer un tratamiento con aspirina y otras cosas para licuar la sangre.
Y tengo mi cabeza pegada en esto. Para que ser una sumisa, para que sentirse así?
Para que lo tenia que saber?, para martirizarme y torturarme yo hasta el día del amén aleluya?
Tal vez lo mejor que pueda hacer es dejar esto de un lado y olvidarlo todo. Me siento tan perdida. A veces me siento tan triste.

No querer un Amo, me hace menos sumisa?
Querer protegerme me hace menos sincera?
Decir y hacer cosas para protegerme me hacen una porquería?

No ha sido suficiente por todo lo que he pasado?

No, no quiero un Amo, no quiero nada, es la verdad...
De que mas soy culpable además de amar con toda mi alma?
De que más soy culpable?

No tengo derecho a nada?
A nadie?
Nisiquiera a mi hijo?

No tengo derecho nisiquiera a este blog?

No tengo derecho nisiquiera a vivir, a pensar algunas horas en tener algo?
Por qué nadie me quiere?
Por qué debo pasar por todo esto?

Que alguien me diga como vivir esto
No puedo mas...

martedì 21 febbraio 2012

Feliz Día de Las Madres...!!!

A todos los que tiene la suerte de tener una super Madre, a todos los que tienen la suerte de tener hijos... a todos los que su Madre o sus hijos se fueron al Cielo... A todas, sin distinción de color, raza o religión, desde esta pequeña esquinita, queria desearles
FELIZ DÍA DE LA MADRE

domenica 19 febbraio 2012

You're Such a Bitch

Sarah's Boyfriend was right, his sister is a bitch....or at least she becomes one when she is called one. Alicia finds out that her brother's girlfriend is not planning to attend his graduation ceremony after he flew her out there. She is not happy and confronts Sarah. Sarah calls her a bitch and that earns Sarah a trip over Alicia's knee from Sarah Gregory Spanking.

sabato 18 febbraio 2012

EL CORNUDO, VIDEOCORNADA A PARES (2)

Este fragmento de video creo es uno de los mejores que hemos hecho, en parte gracias a Cesar que estuvo hay para ayudarme con la camara.
Tiene todos los ingredientes de un gran video cornudo, atentos al audio por que es parte importante de el.
Yo como cornudo y perro de mi corneador Travis me dirijo a el de UD, en todo momento y sobre todo cuando la folla como una perra.
Su corrida dentro de mi mujer no tiene desperdicio y la apoteosis final con El Cornudo, osea yo, lamiendo, que digo lamiendo.., absorbiendo como si de un manjar se tratara su leche.
Cesar incluso me ayuda, mete los dedos dentro del coño de mi mujer y me los da a lamer para que no deje nada.
Como no podia ser menos y en agradecimiento a mi amo limpio su enorme polla que tan felices nos lo ha hecho pasar a mi esposa y a mi, su mas fiel servidor.
Gracias amo por estos momentos.
contactoselc@gmail.com













venerdì 17 febbraio 2012

el Diario de iara 25/9/2008

ROSTROS DE VOS
Si Mi Amo, Rostro de Vos. Benedetti a veces me produce escalofrios, a veces me deja reflexionanado y a veces solo me regala unas palabras por expresar lo que siento.
Cuando aparece el rostro duro e implacable... no manipulo patra llamar la atención... solo siento que no se me debería llevar al extremo, porque me es muy dificil salir de alli. Siento que aun no lo ha entendido o simplemente lo usa para escarmentar. Sea lo que sea me agota fisica y emocionalmente, por lo que no tengo mucho que decir el dia de hoy solo dejar palabras tomadas prestadas para hecer sentir lo que siento desde que me levanté esta mañana.


Tengo una soledad tan concurrida tan llena de nostalgias y de rostros de vos de adioses hace tiempo y besos bienvenidos de primeras de cambio y de último vagón. .
Tengo una soledad tan concurrida que puedo organizarla como una procesión por colores tamaños y promesas por época por tacto y por sabor. . sin un temblor de más, me abrazo a tus ausencias que asisten y me asisten con mi rostro de vos. .
Estoy lleno de sombras de noches y deseos de risas y de alguna maldición . Mis huéspedes concurren, concurren como sueños con sus rencores nuevos su falta de candor. yo les pongo una escoba tras la puerta porque quiero estar solo con mi rostro de vos. .
Pero el rostro de vos mira a otra parte con sus ojos de amor que ya no aman como víveres que buscan a su hambre miran y miran y apagan la jornada. .
Las paredes se van queda la noche las nostalgias se van, no queda nada. . Ya mi rostro de vos cierra los ojos. . Y es una soledad tan desolada.
Mario Bennedetti

giovedì 16 febbraio 2012

A Good Hiding

Alex has been sent home from school for striking another student and her father is furious from Northern Spanking!

mercoledì 15 febbraio 2012

Um Frente e Verso Diferente

Já virou tradição! Nossas postagens Frente e Verso fazem muito sucesso e por isso hoje resolvemos postar mais uma, mas diferente. Um Frente e Versoi só com a Madame Karinho, comeánco pelo Verso... Qual você prefere?




Adoramos comentários! Deixe o seu!

martedì 14 febbraio 2012

El Diario de iara 6-2-2009

El collar en mi alma, que extraño pensarlo así, que extraño sentirlo así. Yo que decía que no me hacia falta el collar, hpy arreglando las cosas de las cajas que me traje encontré el plastiquito negro finito que llevaba al cuello el dia que nos conocimos y terminó regalándome. Cuántas cosas ppuede traerte a la memoria un simple collarcito, sencillo y especial como ese. En mi cabexza se me alinearon todosas las imágenes de cuando lo vi por primera vez, la forma como me miraba, los nervios que yo tenia, el miedo a lo desconocido. Las ganas de abrazarlo. Para mi fue algo de golpe, algo instintivo, para mi aunque tal vez nadie lo crea fue amor a primera vista. Estaba muy delgado, pero los ojos le sonreian. Recuerdo que me maquillé lo mas bonita que pude y me arreglé como siempre para ir a trabajar, tenia mucho miedo porque habian pasado muchos años que no hacia algo asi y no sabia que esperar. Cuando salí de mi oficina me habia dejado la camarita que aun guardo al lado de mi computadora pero no he sabido colocar porque algo falta. y un chocolate, el preciso que sabia que me gustaba. Y así jugamos por el telefono, te veo estas vestida así estas caminando por alla... y entonces entro al restaurante mirando toda asustada sin saber que hacer y me siento a esperar. No lo encontraba, le pregunté si se habia ido o si era una trampilla. Me dijo que no que ya llegaria. Y asi fue, llego y se sentó frente de mi. Nunca lo olvidaré. No podia comer, trataba de ser simpática, pero habia algo que no podia dejar de mirar, era su sonrisa y sus ojos, y l aurgencia por un beso, que no quise dejar esperar mucho tiempo y se lo pedí. No se porque lo hice, solo se que lo necesitaba, y se me metió en el alma y una cosa tan sencilla como el hilito negro cuando me lo puso en el cuello, jamas lo abandoné. Lo usé muchas veces y ahora al tenerlo en las manos, tengo tantos recuerdos. Lo tomé lo limpié con l apinzita le acomodé las cabecitas y puse un pedazo de terciopelo dentro mi gaveta y lo coloque arriba y lo cubri con mas terciopelo, como la joya mas valiosa que tengo entre mis zarcillos, pulseras y collares. A veces me lo pongo, pero lo vuelvo a limpiar y a dejar cuidado en el lecho de rosas que le hice.

lunedì 13 febbraio 2012

HOMENS MARCANTES NA VIDA DAS MULHERES


O MÉDICO - «TIRE A ROUPA TODA, POR FAVOR!»



O PSICÓLOGO - «AGORA DEITE, FECHE OS OLHOS E RELAXE...»



O MASSAGISTA - «FIQUE DE COSTAS AGORA!«


O FARMACÊUTICO - «ESTÁ DOENDO? A CABEÇA ESTÁ INCOMODANDO?»



O DENTISTA - «ABRA SÓ MAIS UM POUCO...ISSO, ASSIM MESMO!»


O DECORADOR - «QUANDO ESTIVER TUDO DENTRO, VOCÊ VAI ADORAR!! »


O MECÂNICO - «VOU SÓ COLOCAR UM POUCO DE LUBRIFICANTE?»

O VENDEDOR DE FRUTA -« PODE SEGURAR, MAS NÃO PODE APERTAR, ESTÁ BEM?»


O CABELEIREIRO - «VAMOS FAZER UMA COISA DIFERENTE?»



O PEIXEIRO - «VAI QUERER TODO, OU SÓ METADE?»



O PROFESSOR DE CULINÁRIA - «ISSO, MEXA ASSIM, COM MAIS FORÇA»




O PADEIRO - «ESTÁ QUENTINHO COMO VOCÊ GOSTA?»


O VENDEDOR DE ROUPA - É LINDO, NÃO É? QUER EXPERIMENTAR A VER SE CABE?




O MARIDO - OUTRA VEZ? ASSIM NÃO HÁ QUEM AGUENTE!